Resenha da Semana: Harry Potter e as Relíquias da Morte, de J. K. Rowling

Resenha da Semana: Harry Potter e as Relíquias da Morte, de J. K. Rowling

BIBLIOTECA PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS
Setor de Empréstimo Domiciliar

ROWLING, J. K. Harry Potter e as relíquias da morte. Rio de Janeiro: Rocco, 2007. 551 p.

Joanne Kathleen Rowling nascida nas proximidades de Bristol, na Inglaterra, é escritora, roteirista e produtora cinematográfica. Ganhou notoriedade ao escrever uma das sagas mais conhecidas no mundo inteiro. Recebeu diversos prêmios e vendeu mais de 500 milhões de cópias de seus livros. Esse é o sétimo e último livro da saga do famoso bruxo Harry Potter.

Neste último volume, descobrimos mais a fundo os planos e desejos de Lorde Voldemort e como sua ascensão ao poder está mais próxima do que todos imaginam

Agora os Comensais da Morte utilizam a casa de Lúcio Malfoy para as suas reuniões. Em um desses encontros, Snape avisa a Voldemort sobre as informações que ele obteve a respeito do transporte do garoto Harry, de onde ele está (na casa dos tios) para um local secreto, escolhido e protegido pela Ordem e pelo Ministério. Os planos são simples, matar Harry Potter e matar o Ministro da Magia, para que Voldemort tenha total controle e possa governar livremente.

A vida de Harry não estava em uma fase memorável. Ele se sentia muito culpado e até atordoado quando leu o relato de um antigo amigo de Dumbledore. Esse amigo estudou com o diretor e sabia de coisas que Harry jamais sonhou. Quantas coisas poderia ter perguntado, questionado e até mesmo conhecido, e não o fez?! Pra piorar essa sensação, Harry leu no Profeta Diário que Rita Skeeter escreveu um livro contando tudo sobre Dumbledore, ela disse que ele se envolveu com magia das trevas, e Harry não sabia mais o que essa jornalista idiota poderia fazer para difamar a imagem do diretor. Era tudo muito perturbador.

Como o garoto estava quase completando 17 anos, ele, seus tios e seu primo Duda corriam perigo. Ele já sabia disso, e estava tudo esquematizado na Ordem para que houvesse proteção total ao garoto, e agora os bruxos estavam empenhados em proteger seus tios e primo. Depois de muito relutar, tio Valter entendeu que seria melhor não discutir mais e ir com os bruxos para um lugar que ele nem sonhava qual era e ficar sob proteção. O que Harry não esperava era ouvir de Duda que ele não é um desperdício de espaço, como sempre ouvira de seu tio e tia. Algo que Harry nunca imaginou acontecer, aconteceu, ele e seu primo apertaram as mãos e ele viu que Duda talvez tenha mudado e se tornado uma pessoa melhor.

Antes que o garoto tivesse tempo para se despedir e processar toda a informação de que aquela era sua última noite na Rua dos Alfeneiros, os membros da Ordem chegaram. O plano A, de acordo com Olho Tonto teve de ser alterado, pois um dos membros da Ordem debandou para o lado de Voldemort e estava dificultando a partida do jovem bruxo. Olho Tonto e todos os outros, aceitaram a missão. Eles tomariam a poção polissuco e se transformariam em Harry, cada um com um par e um meio de locomoção, poderiam ser vassouras, testrálios ou a moto de Sirius que estava com Hagrid, e era ali que o verdadeiro Harry estaria.

Antes de chegar até sua altitude ideal, o cerco estava fechado com 30 comensais da morte a espreita, lançando feitiços da morte para todos os lados. Nesse momento Harry pensou que esse seria seu fim. Após uma batalha inesperada, pouco a pouco as pessoas chegaram a Toca. Harry contou que tivera um momento inesperado com sua varinha, ele estava semi desacordado e não sabia o que fazer, Voldemort estava a sua frente e sua varinha se mexeu sozinha e lançou um feitiço que ele nunca viu, jatos dourados saíram de sua varinha e ninguém soube explicar ou sequer entender o que tinha acontecido.

No meio desse caos, um dos integrantes da Ordem ficou ferido, Jorge perdeu a orelha, graças a Snape, e por ser uma magia das trevas, era impossível que ela voltasse ao normal. Logo depois de um tempo de espera pelos últimos integrantes, Gui e Fleur chegaram contando que Olho Tonto havia morrido, Voldemort foi pra cima deles primeiro, Mundungo se desesperou, aparatou e deixou o companheiro sozinho.

Enquanto toda essa informação era processada pela cabeça de Harry, ele decidiu sair e respirar um pouco e foi ai que ele acessou a mente de Voldemort novamente e viu que Olivaras estava sendo torturado, pois ele havia falado a Voldemort que se usasse outra varinha para atacar Harry, talvez desse certo e como vimos, não deu.

Os Weasley estavam se preparando para o casamento de Gui e Fleur e a casa estava além de bagunçada, extremamente cheia, sem contar que em breve os pais e a irmã de Fleur chegariam e aí sim seria o caos. A sra. Weasley não queria deixar os três amigos juntos sozinhos, pois como eles não deram detalhes da viagem que eles fariam, ela achou que se afastasse os três, a ideia de largar os estudos e ir em uma missão secreta passaria, mas os garotos já tinham feito tudo.

Rony preparou o vampiro que vivia no sótão para fingir ser ele, mas com uma doença grave e muito contagiosa, caso o Ministério investigasse ou os próprios comensais, e Hermione, para proteger os pais, alterou suas memórias fazendo com que eles nem soubessem que tinham uma filha, o que foi muito doloroso para a garota, mas era o preço a se pagar.

Harry achou que teria somente um jantar simples para o seu aniversário, mas teve uma mini festa com direito a bolo em forma de pomo de ouro, o que ninguém esperava era que o próprio ministro da Magia estaria presente também, não para comemorar, mas para cumprir o testamento de Dumbledore, que havia deixado itens para Harry, Rony e Hermione.

Para Rony, ele deixou o desiluminador, para Hermione o exemplar de “Os contos do Beedle, o bardo” e para Harry o primeiro pomo de ouro que o garoto capturou em seu primeiro jogo de quadribol, além da espada de Godric Gryffindor que é um item importante da casa da Grifinória. Mas infelizmente a espada não era de Dumbledore para que ela fosse dada, pois como diz a lenda, ela se apresenta para qualquer grifinório que a mereça.

Depois do Ministro ir embora, os jovens bruxos estavam esperando que algo acontecesse com o pomo de ouro, mas a única coisa inesperada que aconteceu assim que o garoto o encostou na boca, fora o surgimento das palavras “abra no feixo”, e nenhum dos três soube dizer o que a mensagem significava.

O dia seguinte seria o casamento de Gui e Fleur, mas Harry teria de ficar disfarçado com poção polissuco, os gêmeos conseguiram pegar uns cabelos ruivos de um vizinho distante, e isso foi suficiente pra ele se passar como um primo distante dos Weasley. Enquanto as pessoas dançavam, Harry foi se sentar com um amigo de infância, que estudou com Dumbledore e que fez um obituário bem emocionante sobre o diretor, no Profeta Diário. Mas a conversa foi tomando rumos desconhecidos, sobre fatos desconhecidos a respeito de Dumbledore que a tia Muriel Weasley estava falando, e quanto mais ela falava, mais impressionado Harry ficava, pois nesse momento percebeu que ele não conhecia nem 1% da vida do seu amigo.

Tudo estava indo aparentemente bem no casamento, quando de forma inesperada o patrono de Shacklebolt apareceu. Era um lince que eterizara na pista de dança, chamando a atenção de todos e de forma clara e suave anunciou que o Ministério da Magia havia caído, o Ministro Scrimgeour estava morto e que os comensais da morte estavam vindo! Isso significava que a proteção da Toca estava abalada, e no segundo seguinte, várias pessoas encapuzadas e mascaradas apareceram. Raios verdes e vermelhos eram lançados em todas as direções e os meninos não tiveram outra escola se não aparatar. 

Eles foram para o mundo trouxa, pois Hermione pensou que seria mais seguro, já que lá, seria um dos últimos lugares pelo qual Lord Voldemort os procuraria. Mas eles estavam enganados. Assim que entraram em uma cafeteria 24h, dois homens vestidos de operários apareceram, mas eles eram comensais disfarçados, e minutos depois os dois homens começaram a atacar os três jovens bruxos. Os garotos conseguiram se safar ilesos, e apagaram a memória recente deles, isso deu tempo pra eles pensarem qual seria o melhor lugar para eles se esconderem e chegaram à conclusão que a antiga casa da Ordem seria o melhor lugar, no momento.

Depois de conseguirem dormir em segurança, Harry acordou mais cedo e viu Hermione adormecida ao lado de Rony com suas mãos quase se tocando, nesse momento ele se sentiu solitário. Para tirar esse sentimento da cabeça, ele foi explorar a casa e foi até os dois cômodos pelo qual ele nunca havia entrado. O quarto de seu padrinho Sirius e de seu irmão Régulo. O quarto de Sirius era grande e parecia ter sido um lugar muito bonito para um jovem. Seu padrinho fez questão de estampar as cores da Grifinória, para mostrar o quão diferente da família ele era. Nesse quarto, Harry encontrou uma página de uma carta escrita por sua mãe, contando a Sirius que Harry (ainda bebe) havia amado o presente de aniversário, (uma vassoura) e que a senhora Batilda sempre os visitava e contava várias coisas surpreendentes sobre Dumbledore. Aparentemente a carta tinha uma continuação, mas onde ela estaria?

O segundo cômodo que os garotos entraram era o quarto do irmão de Sirius, Régulo, que tinham as mesmas iniciais R.A.B, contidas na horcrux falsa que estava na caverna. Nesse momento de choque, Hermione se lembrou que, em um dos momentos de faxina na casa, eles jogaram fora um medalhão idêntico ao que Harry carregava, que ninguém conseguia abrir, e foi descartado como os outros objetos estranhos da casa.

Harry então decide chamar Mostro e saber sobre o medalhão, foi nesse momento que ele descobriu como Régulo havia morrido. Quando jovem, o irmão mais novo de Sirius entrou para o grupo de bruxos das trevas, mas após um tempo, caiu em si e se arrependeu. Foi atrás de uma das horcrux, achou o medalhão e pediu a Monstro para destruí-lo. Mas com o efeito da poção daquela caverna, assim que tocou no lago, os Inferi que continham no lago, o sugaram e foi assim que Régulo veio a falecer.

Depois de muito pensar, Harry pede a Monstro para ir atrás de Mundungo, pois ele havia pegado o medalhão após a morte de Sirius e essa era a única esperança dos garotos. Enquanto Monstro não retornava, Lupin visita os garotos na antiga casa da Ordem. Ele se oferece para fazer parte dessa viagem, mas Harry não aceita sua ajuda. O garoto ficou surpreso com o antigo professor, por ter coragem de largar sua esposa, que estava grávida, para ir com eles em sua missão.

Ele não esperava isso do homem que era um dos melhores amigos de seu pai, que anos atrás o ensinou como se proteger e sempre foi tão corajoso. Como agora, ele teria coragem de abandonar sua esposa e seu filho, com a desculpa de que isso seria o melhor pra eles. Óbvio que Lupin não gostou de ser chamado de covarde, mas Harry não podia deixar isso acontecer, afinal seu pai havia morrido para protegê-lo e isso era o mínimo que Lupin devia fazer.

Após alguns instantes, Monstro aparece na cozinha, esvaziando a mente de Harry, que ainda estava pensando em como tratara seu antigo professor. Monstro estava com Mundungo e após o interrogatório, ele disse com quem o medalhão está, e isso foi motivo para paralisar Harry da cabeça aos pés. O medalhão estava com Dolores Umbridge. Eles não teriam outra escolha, deviam ir até Umbridge e recuperar o medalhão, mas a questão era, como eles fariam isso!? Depois de muito pensar, eles decidiram que iriam fazer a poção polissuco e pegar o lugar de três pessoas do Ministério que eles analisaram durante várias semanas.

Quando o dia chegou, todos estavam apreensivos, sem saber se o plano realmente daria certo, pois caso contrário, como eles escapariam do Ministério? Mesmo assim eles foram e conseguiram concluir a primeira parte do plano. Quando Harry chegou no escritório da Umbridge, ele percebeu que existia uma pasta contendo os procurados pelo Ministério que eram considerados “indesejáveis” e ele estava como número 1 da lista.

Saindo do escritório, ele decidiu ir com a capa da invisibilidade até o lugar onde estava acontecendo o julgamento de uma bruxa que era acusada de ser nascida trouxa. No momento em que Harry viu a ex-professora com o medalhão no peito, ele agiu. Lançou um feitiço paralisante nela e no Comensal da Morte que estava junto. Deu tempo somente de recuperar o medalhão e sair correndo do tribunal.

Harry ainda conseguiu salvar os bruxos que estavam aguardando julgamento, mas o que os três bruxos não esperavam era que um dos homens ao qual eles tiraram tufos de cabelo pra tomar seu lugar no Ministério, havia aparecido e aí tudo fez sentido para os bruxos ali presentes que estavam impedindo os garotos de sair.
Assim que Harry conseguiu, ele agarrou o braço de Rony e Hermione e desaparatou, mas algo de errado estava acontecendo, pois assim que eles chegaram no largo Grimmauld, tudo ficou escuro e Harry achou que ia sufocar. O que estava acontecendo?

Quando o garoto entendeu onde estava, ele quis perguntar Hermione o porquê estava em uma floresta e qual floresta era aquela, mas não era o melhor momento, pois Rony havia estrunchado, e como ele nunca havia visto nada parecido, conseguiu se controlar e ajudar a amiga como pode. Enquanto ele montava a barraca, Hermione lançava feitiços de proteção em volta deles, e foi decidido que seria melhor eles ficarem ali por enquanto, até Rony se recuperar pra aparatar novamente. E para melhorar a proteção, eles se revezavam do lado de fora da barraca, só pra garantir que nada acontecesse.

Em um desses momentos fora da barraca, Harry viu Voldemort ameaçando e torturando o fabricante de varinhas Gregorovitch perguntando onde estava algo que ele queria muito, e que havia sido roubado do fabricante a muitos anos. E como a ligação entre Harry e Voldemort é muito forte ele viu tudo o que o bruxo das trevas puxou da memória de Gregorovitch, quando um jovem, que Harry já havia visto, roubava algo e fugia pela janela.  

Nessa peregrinação terrível dos três jovens bruxos, muitos percalços aconteceram. Eles tinham muita dificuldade em arrumar comida, tinham que se revezar pra ficar com a horcrux, pois ela causava mal a quem a portasse e para não prejudicar nenhum deles, a cada 12 horas eles trocavam.

Enquanto estavam discutindo sobre a comida, eles ouviram passos e acabaram ouvindo a conversa de alguns duendes fugitivos e de Ted Tonks com Dino, seu amigo de Hogwarts. Eles ficaram sabendo que Gina, Neville e Luna tentaram roubar a espada de Gryffindor e foram punidos a ir para a floresta proibida com Hagrid, o que não foi exatamente um castigo, mas nesse momento em que Harry e Hermione matutavam onde a espada que estava impregnada de veneno de brasílico poderia estar, fez Rony se irar, mostrar o quão indignado estava e acabou 6 abandonando os dois amigos aparatando para algum lugar. Isso fez Hermione chorar copiosamente e Harry ficar pensativo sobre tudo o que aconteceu.

Nesse meio tempo, Harry entendeu que não era uma boa ideia tocar no nome de Rony e tentou puxar algum assunto importante com a amiga, algo que ele já estava pensando há um tempo, ele realmente queria ir até Godric’s Hollow. Para espanto de Harry, Hermione achou que essa era uma boa ideia, pois talvez a espada de Gryffindor estivesse lá, uma vez que esse era o vilarejo que o bruxo Godric Gryffindor havia morado, onde Dumbledore havia morado e onde Batilda ainda morava, mas Harry não pensou em nada disso, só queria tentar achar respostas e tentar achar o lugar onde seus pais estavam.

Hermione concordou com a ideia, mas decidiu traçar um plano longo e muito cauteloso, pois eles correriam muito perigo se fossem sem disfarces e então decidiram tomar a poção polissuco e investigar mais o vilarejo que um dia Harry morou. Depois de passar por várias lápides e encontrar um túmulo com o mesmo símbolo que apareceu em um título no livro que Dumbledore deixou para Hermione, agora estava em uma lápide gasta com o nome de Ignoto. O que será que isso significava? Que símbolo seria esse?!

Sem querer pensar muito nisso, Harry continuou sua busca pelo túmulo de seus pais e após alguns minutos, Hermione o chamou dizendo que havia encontrado. Eles estavam lá. Com um vazio, um aperto no peito e uma tristeza imensa, Harry chorou e quase desejou que estivesse dormindo com seus pais nesse momento.

Quando estavam indo embora do cemitério, eles sentiram que estavam sendo seguidos e ficaram sob alerta. Enquanto eles olhavam para a casa que um dia era de Harry com seus pais, ele viu que a pessoa que estava vigiando os dois, era uma senhora muito debilitada que chamava os garotos. Harry começou a seguir a senhora, enquanto Hermione se mostrava muito desesperada, algo estava errado. E estava mesmo.

Os três entraram na casa da senhora, e quando Harry chegou no segundo andar da casa, a velha senhora queria mostrar algo, a sós. Lá ela perguntou ao garoto se ele era o Eleito para sanar suas dúvidas, pois ele estava disfarçado, assim que ele confirmou, a senhora mudou de forma, de velha gaga para uma cobra imensa e violenta que atacou o garoto. Se não fosse por Hermione que subiu segundos depois de ouvir os barulhos, eles estariam mortos, pois Harry sentiu que Voldemort estava chegando e só deu tempo deles se desvencilharem e aparatar.

Voldemort estava com muito ódio e Harry penetrou nas lembranças do bruxo das trevas, que pela segunda vez deixara o garoto escapar. Após o ocorrido, Harry acordou atordoado, sem saber o que tinha acontecido, Hermione contou que ele gritava muito e parecia que estava em conflito, mas que já tinha passado, e infelizmente o medalhão que estava em seu peito na hora do ataque o marcou como ferro em brasa, e para piorar a situação a sua varinha havia se partido. O dia estava ficando cada vez pior para o garoto. 

Ele sabia que tinha sido um acidente, mas agora se sentia nu sem sua varinha, sem sua proteção. E para piorar, Hermione lhe mostrou o livro escrito por Rita Skeeter sobre Dumbledore e descobriu a ligação que o diretor tinha com Grindelwald. Eles eram amigos e planejavam dominar os trouxas, pelo bem maior, que foi a assinatura de tudo o que Grindelwald fez mais tarde.

Harry não sabia o porquê Dumbledore nunca lhe contou essas coisas, ou o porquê não confiava no garoto pra dizer tudo isso, contar um pouco sobre sua vida. Como sua irmã Ariana morreu, porque seu irmão Aberforth quebrara seu nariz no enterro da irmã, porque culpava Alvo Dumbledore? Harry se perguntava se um dia essas perguntas seriam respondidas.

Enquanto estava montando guarda na porta da barraca, Harry viu a luz de algo muito reluzente e prateado chegando cada vez mais perto. Quando o garoto conseguiu focalizar o que era, ele viu uma corça prateada que, ele sentiu, estava chamando o garoto para algum lugar no meio da floresta. Ele foi ao encontro da corça e se deparou com um lago congelado e a espada de Gryffindor estava lá.

Depois de analisar muito, ele decidiu que deveria entrar na água pra pegá-la. Mas o que o garoto não esperava era que o medalhão sentiria a espada também e tentaria matá-lo para que ele não pegasse a espada, mas na hora em que Harry sentiu que estava quase sufocando Rony apareceu e o tirou do lago, com a espada em punho. Eles decidiram que Rony devia destruir a horcrux. Depois de Rony ver muitas coisas terríveis, sobre Harry e Hermione, ele conseguiu tirar forças e destruir o medalhão, e logo em seguida Harry deixou bem claro que ama Hermione como uma irmã e ele também tinha certeza de que a garota sentia o mesmo por ele.

Quando chegaram à barraca, Hermione ouviu a história dos dois e ainda estava pensando se só os socos que havia dado em Rony seriam suficientes para aplacar sua raiva. Depois de alguns dias sem conversar direito com Rony, e mantendo um mal humor pesadíssimo, Hermione decidiu que seria bom os três bruxos visitarem o pai de Luna, pois o mesmo estava usando um colar com o símbolo que não parava de aparecer no livro que Dumbledore deixou para ela e agora aparecera também na assinatura de Dumbledore na carta original que ele havia escrito para Grindelwald quando jovem, conforme estava no livro escrito por Rita Skeeter.

Ela presumiu que esse símbolo tinha alguma importância, não era possível que ele estivesse ali sem motivo algum, o que isso significava, nenhum deles sabia, mas ela tinha absoluta certeza de que o pai de Luna saberia explicar.

Chegando na casa, eles não foram bem recepcionados pelo senhor Lovegood, mas acabou lhes contando do que se tratava o símbolo. Eram as relíquias da morte, a varinha das varinhas, a pedra da ressurreição e a capa da invisibilidade. Segundo o pai de Luna, Xenofílio Lovegood, quem portasse as três relíquias, era considerado o senhor da Morte.

Após insistir muito que eles permanecessem em sua casa, com a desculpa de que a qualquer momento Luna voltaria do passeio dela, Harry achou suspeito e foi investigar.  Percebeu que o quarto de Luna estava quase abandonado, como se ninguém entrasse nele a semanas, e foi aí que tudo aconteceu. Eles viram que o jornal O Pasquim, que o senhor Lovegood era escritor, mudara de posição em relação a Harry, pois o Ministério havia levado Luna e estavam o ameaçando. Hermione pensou rápido, quando viu que comensais da morte tinham chegado. A garota alterou a memória do pai de Luna e terminou de explodir a casa dele, aparatando bem a tempo.

Assim que chegaram em um lugar de segurança, eles refletiram muito sobre as relíquias da morte e por mais que Hermione negasse que elas existissem, Harry teve certeza de que sim, eles existem e Voldemort estava atrás da varinha das varinhas.

Entre uma tentativa e outra de sintonizar o programa de rádio Observatório Potter, um programa clandestino que dizia as reais notícias do mundo bruxo e trouxa, coisas que o Ministério não divulgava, eles escutaram as vozes amigas de Lino, Lupin, Shacklebolt e Fred, um dos gêmeos. As notícias não eram boas, Ted Tonks o pai de Ninfadora, esposa de Lupin havia sido assassinado, e algumas outras pessoas também. As vozes na rádio pediram prudência e que eles se mantivessem firmes!

Harry estava relativamente feliz e renovado quando infelizmente disse o nome de Voldemort. Rony já tinha explicado que o nome carregava o poder de quebrar qualquer encantamento de proteção que estivesse ao redor da pessoa. E foi exatamente isso que aconteceu, segundos depois, um grupo de sequestradores mandou quem estivesse dentro da barraca sair e eles estavam cercados, sem alternativas.

Os três bruxos foram levados até a casa dos Malfoy, pois os sequestradores sabiam que lá o Lorde das Trevas estaria, ou as pessoas de lá poderiam chamá-lo. Assim que chegaram, eles viram que estava difícil falar com certeza que era realmente Harry Potter, uma vez que Hermione lançou uma azaração sobre ele e ele ficou deformado.

Mas esse não foi o motivo real para que Belatriz surtasse, mas sim ter visto a espada de Gryffindor nas mãos de um dos sequestradores. Ela mandou o lobisomem Greyback levar os outros para o porão enquanto interrogava, torturando, Hermoione. Os garotos escutavam a amiga urrar de dor e não conseguiam fazer nada! E isso os consumia por dentro, principalmente Rony que não parava de gritar pela garota.

Quando Harry pegou o pedaço de espelho quebrado que seu padrinho lhe dera, ele viu como se fossem olhos azuis e pediu socorro, mesmo sabendo que ninguém estava os vendo. Minutos depois, Dobby, o elfo, apareceu no porão e Harry pediu para que ele aparatasse com Luna, senhor Olivaras e Dino até a casa nova de Gui e Fleur e pediu para que Dobby voltasse.

Assim o elfo fez, enquanto os garotos travavam uma batalha lá em cima, contando os segundos até Voldemort chegar, Dobby conseguiu resgatar a todos, e aparataram em segurança para o Chalé das Conchas, casa de Gui e Fleur, mas assim que Harry colocou os olhos em seu 9 amigo elfo, ele estava machucado, com uma faca no peito, a faca que Belatriz lançara antes deles aparatarem, infelizmente era tarde demais, e Dobby se foi.

Depois de ver que os demais estavam bem, Harry decidiu enterrar o elfo, de forma tradicional, sem magia e assim o fez. Depois de se lavar, o garoto pediu para falar com o duende Grampo e após isso, com o senhor Olivaras. Pediu a Grampo ajuda para entrar no cofre de Belatriz e depois pediu ao Olivaras para confirmar sobre a varinha das varinhas, confirmando para Hermione que ela existia realmente.

As suspeitas de Harry foram concretizadas, depois que Voldemort interrogou Grindelwald e ele disse que a varinha não estava com ele mais, ele entendeu, que após a sua derrota em duelo para Dumbledore a varinha estava com o ex-diretor, e assim, sem demora, Voldemort foi até a escola de Hogwarts, abriu o túmulo do ex-diretor e tomou a varinha de suas mãos.
Depois de alguns dias, Grampo falou aos três jovens bruxos que aceitava a oferta de ajudar a arrombar o cofre de Belatriz, na condição de ter a espada de Gryffindor como pagamento pelo serviço. Depois de muito conversar, os três viram que não teriam outra escolha a não ser fazer exatamente isso.

Para alegrar um pouco o ambiente e os corações, Lupin chegou trazendo uma notícia fantástica, Tonks deu à luz a um menino perfeito que herdou os dons de metamorfose da mãe e Lupin em extrema gratidão, abraçou Harry com força e pediu que ele fosse o padrinho de seu filho, de acordo com ele, não havia ninguém mais perfeito para o cargo.

Mesmo com a boa notícia de Lupin, Harry, Rony e Hermione tinham que focar no plano para entrar no Banco bruxo Gringotes e roubar a horcrux que estava segura no cofre de Belatriz. Eles conseguiram chegar no cofre desejado e depois de muito caos e queimaduras terríveis devido a feitiços de proteção, eles conseguiram pegar a taça de Hufflepuff que Voldemort havia roubado quando jovem, e escaparam montados no dragão que antes era o guardião dos cofres das famílias bruxas mais antigas.

Assim que os jovens conseguiram sair de cima do dragão e ficar em local seguro, Harry foi tomado pela imagem de onde Voldemort estava e sentiu a angústia, fúria e medo do bruxo. Ele descobriu que o garoto agora caçava suas horcrux, completamente incrédulo. Como o garoto saberia?! Como alguém saberia? E então o bruxo das trevas decidiu ir nos lugares onde deixara as peças com partes de sua alma para ver se elas estavam seguras. E nesse momento, Harry descobriu que havia uma em Hogwarts e a última era realmente a sua cobra Nagini, que a partir de agora não sairia de perto dele.

Depois dessa descoberta, não tinha como eles não irem para a escola e tentar descobrir onde estava a próxima horcrux. Assim que os três aparataram em Hogsmead, um alerta foi soado, era o alerta da quebra do toque de recolher que os comensais colocaram no povoado. Os três agora se viram sem saída e por um milagre, alguém chamou os meninos e falou para 10 entrarem em um local desconhecido. Eles não demoraram muito para entender que estavam no pub Cabeça de Javali e que o barman do pub, era o irmão de Dumbledore, o famoso Aberforth e que a garota pintada em um quadro em seu interior, era sua irmã, Ariana.

Eles comeram, beberam e após afirmar a Aberforth que deviam ir a Hogwarts, ele disse que os jovens eram loucos e que deviam se proteger e não se matar em uma missão provavelmente suicida que o irmão teria dado a eles. Após explicar com detalhes como a irmã Ariana morreu, e porque eles sempre esconderam a irmã de tudo e todos, Harry colocou o irmão de Dumbledore contra a parede e queria saber se ele ajudaria os três ou não. E com um movimento ordenado por ele, Ariana saiu do quadro e voltou com Neville ao seu encalço.

Assim que chegou à Sala Precisa, os três jovens bruxos foram recepcionados de forma bem calorosa pelos seus amigos que permaneciam com a Armada de Dumbledore mais viva do que nunca e agora, depois de muito relutar, Harry aceitou a ajuda deles para que o objeto que eles estavam procurando, fosse encontrado.

Ele ficou interessado no Diadema perdido de Ravenclaw e Luna foi a incumbida de levar Harry até a sala comunal da Corvinal, onde havia uma estátua de Rowena Ravenclaw com o Diadema, mas o que Harry e Luna não esperavam eram ser surpreendidos com a presença de Aleto Carow, uma comensal da morte, que no momento em que viu Harry pressionou a marca negra em seu braço, chamando Voldemort.

Por sorte, Luna defendeu o amigo, mas era tarde, Harry tinha sentido que Voldemort havia recebido o chamado. Logo em seguida, o irmão Amico Carow chegou procurando Aleto e a professora McGonagall chegou para saber o que estava acontecendo. Após uma briga entre os professores e Harry ter saído debaixo da capa da invisibilidade e lançado uma das maldições imperdoáveis para um dos Carow, ele explicou a McGonagall que precisava procurar algo e avisou que Voldemort estava chegando a escola.
Ela pediu que todos os alunos fossem convocados, os menores iriam pra casa e os maiores de idade, se quisessem lutar, poderiam ficar. Foi quando Snape apareceu e McGonagall duelou com ele, fazendo o atual diretor fugir, pois ele não queria duelar com a colega.

Assim que os garotos foram direcionados para o Salão Principal, eles escutaram uma voz fria e fina que ecoou por toda a escola e pelos arredores, era Voldemort que pedia a cabeça de Harry, eles teriam até 00h00 para entregá-lo pois ele não queria derramar sangue bruxo, mas não seria tão fácil assim. Todos estavam dispostos a lutar e se livrar desse mal das trevas que ameaçava a tudo e todos.

Nesse momento Harry procurou a fantasma da Corvinal para saber onde estava o paradeiro do Diadema e ele entendeu que já o tinha visto antes, na sala onde se guarda tudo, a Sala Precisa. Quando Harry foi guardar o exemplar do livro de feitiços do Príncipe Mestiço, ele o viu e por coincidência havia guardado o livro praticamente do lado dele.

Finalmente o garoto encontrou seus amigos que haviam passado na Câmara Secreta para pegar presas do basilisco para destruir as horcrux, Hermione já havia destruído a taça e eles rumaram para a Sala Precisa. Chegando lá, eles foram cercados por Draco, Crabe e Goyle que tentaram segurar Harry e matar seus amigos, mas com um feitiço descontrolado de fogo maldito a sala foi completamente destruída e o Diadema de desfez na mão do garoto. Menos uma, agora só faltava destruir a cobra.

Para cumprir esse objetivo, Hermione disse ao amigo para entrar na cabeça de Voldemort para saber onde ele estava, ele devia chegar perto para tentar matar a cobra, e visualizou que o bruxo das trevas estava na casa dos gritos. Chegando lá, ele viu Voldemort falar a Lúcio Malfoy para buscar Snape, pois tinha um serviço para ele. Quando Snape chegou ele foi informado de que algo terrível iria acontecer com ele, mesmo ele tento sido um servo bom e fiel, mas era necessário e sem mais justificações, Snape foi atingido pelas presas de Nagini e ficou sozinho no cômodo esperando a morte.

Assim que Harry viu que estava tudo bem para ele sair, ele foi de encontro ao professor, que lhe deu as lágrimas e pediu que o garoto as levasse. Antes de morrer ele pediu que Harry olhasse para ele, pois queria ver os olhos de Lílian a mulher que Snape sempre amou. O jovem bruxo confirmou isso, quando viu as lembranças do ex-professor. Viu sua infância, adolescência e juventude, toda cercada por sua mãe, que ele amava mais que tudo na vida e se surpreendeu quando viu que o patrono de Snape era um corça, o mesmo patrono de sua mãe.

Nesse momento em que viu as lembranças de Snape, ele entendeu que por mais que o professor o tratasse mal, ele o protegeu desde a morte de seus pais, juntamente com Dumbledore. E em uma das lembranças de Snape, Harry entendeu que tudo culminava na entrega do garoto ao Lorde das Trevas, devia ser assim, pois no dia que Voldemort tentou matálo, devido ao escudo que sua mãe havia feito, por ter a alma já muito enfraquecida, Harry se tornou a sétima horcrux, uma horcrux que Voldemort nunca planejou fazer.

Um aviso soou em toda a Hogwarts, o garoto teria uma hora para se entregar, para que ninguém mais morresse, e depois de entender todo o propósito pelo qual foi cercado, assim ele fez, se entregou. Ele, com a pedra da ressurreição que Dumbledore havia deixado no pomo de ouro viu seus pais, seu padrinho entre outros entes queridos e rumou a morte. Esse seria o fim do garoto que sobreviveu? Quem se tornaria invencível, o Lorde Voldemort ou Harry com sua bondade e amor?! O bem prevaleceria contra o mal, ou mais sangue inocente seria derramado???

Resenha por: Laura de Freitas Tartaglia Reis
Servidora do Setor de Empréstimo da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais

 
Skip to content
Fale Conosco